A Polícia Militar de Santa Rita do Trivelato, apreendeu, 260 quilos de inseticidas, 45 galões de veneno e cinco quilos de uma substância não identificada. Os produtos estavam em uma Ford Ranger vermelha com placas de Alta Floresta, que trafegava na MT- 235.

Segundo a Polícia Militar, o motorista (identidade não revelada) não possuía nota fiscal dos produtos e acabou revelando que são de origem paraguaia e teriam sido comprados em Nova Mutum. Não foi informado para onde eles estavam sendo transportados.

O homem foi conduzido à delegacia de Polícia Civil para prestar esclarecimentos. A caminhonete também foi apreendida.

A Polícia Civil de Sorriso confirmou, no início da noite, que desarticulou parte de uma organização criminosa que roubava caminhonetes e defensivos agrícolas em fazendas na região. Foram apreendidos aproximadamente uma tonelada de agrotóxicos, uma Toyota Hilux branca roubada em Lucas do Rio Verde, uma GM S10 prata roubada em Tapurah, duas pistolas, um revólver, munições, rádios comunicadores e binóculos de visão noturna.

Um homem, de 35 anos, tentou subornar policiais oferecendo R$ 40 mil e não ir para a cadeia mas acabou sendo preso, no bairro Rota do Sol. Ele é caminhoneiro e teve um caminhão que estava carregado com milho apreendido para averiguação. A polícia procura outros envolvidos.

“A gente já vinha fazendo o monitoramento desse pessoal e hoje conseguimos ter êxito de localizar essas duas caminhonetes roubadas, que já estavam com placas adulteradas, inclusive um delas pertencia a um Renault Duster, isso para desbaratinar a polícia. Em relação ao defensivo agrícola, quase uma tonelada foi apreendida, o que demonstra que eles são muito articulados. Tinha também dentro do local um maçarico, geralmente usado para abrir cofre. Então, eles podem estar envolvidos em roubo a banco também. Foi pego apenas um dos integrantes e as investigações vão continuar”, afirmou o delegado Nilson Farias.

Segundo o delegado, durante as investigações foi apurado que um fazendeiro iria receptar os agrotóxicos. “A partir do momento que você compra esse produto que foi roubado está fomentando o crime. Estamos pedindo o apoio dos agricultores para que denunciem e ajudem a ação da polícia”, concluiu.

A polícia identificará os lotes dos defensivos para, com base nos boletins de ocorrências dos furtos registrados, identificar os fazendeiros que tiveram produtos furtados. Não foi feita estimativa do valor dos agrotóxicos apreendidos mas o montante é expressivo.