Empreendedores do Centro-Oeste já têm assegurado um aporte federal de R$ 9,6 bilhões para investir em 2018. Os recursos são do Fundo Constitucional de Financiamento da região (FCO), administrado pelo Ministério da Integração Nacional. A programação financeira do Fundo para o próximo ano e novas diretrizes para aplicações foram definidas nesta terça-feira (28) pelo Conselho Deliberativo (Condel) da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), presidido pelo ministro Helder Barbalho.

Uma das mudanças permitirá mais investimentos para projetos de energia limpa a partir de pequenas centrais hidrelétricas (PCHs).

A nova regra eleva em 100% o limite de financiamento na modalidade Project Finance, que estabelece como principal fonte de receita para pagamento do crédito o fluxo de caixa gerado pela operação do empreendimento. A medida, que atende a uma solicitação dos estados, se dá em razão do crescimento agroindustrial na região e do consequente aumento por demandas do setor energético. Assim, projetos para PCHs passam a dispor de até R$ 200 milhões por iniciativa.

Do total de recursos contratados pelo FCO entre janeiro e outubro deste ano, cerca de 80% foi destinado ao agronegócio: R$ 4,7 bilhões. O valor global – R$ 5,9 bilhões – já é 91% maior em relação ao mesmo período em 2016. Goiás é o estado que lidera as contratações, com R$ 2,2 bilhões em recursos do Fundo até outubro, seguido do Mato Grosso (R$ 1,9 bilhão), Mato Grosso do Sul (R$ 1,3 bilhão) e do Distrito Federal (R$ 395 milhões).

“Os Fundos Constitucionais, em função de seus atrativos e de condições cada vez mais facilitadas para obtenção de crédito, têm desempenhado com excelentes resultados o papel de estimular atividades produtivas nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste. São investimentos nas três regiões do Brasil que carecem de estímulo para ampliar seu desenvolvimento”, afirma o ministro Helder Barbalho.

Para o próximo ano, o valor programado de R$ 9,6 bilhões para investimentos no Centro-Oeste está dividido da seguinte forma: R$ 2,7 bilhões para Goiás e o mesmo valor para o Mato Grosso; R$ 2,2 bilhões ao Mato Grosso do Sul e 1,8 bilhão para o Distrito Federal. Também serão destinados R$ 190 milhões do FCO para apoiar os estudos de alunos do ensino superior em 2018. Leia mais.

Mais de R$ 68 bilhões em 28 anos

Desde a sua criação, em setembro de 1989, o Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste já investiu R$ 68,3 bilhões na região. Foram aproximadamente 989 mil operações de crédito em 28 anos, que ajudaram a gerar e manter 7,2 milhões de empregos.

Os financiamentos com recursos do FCO priorizam empreendedores de médio e pequeno porte, inclusive agricultores familiares por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Porém, atendem também grandes empresas.

Possibilitam empréstimos para abertura do próprio negócio, investimentos para expansão das atividades, aquisição de estoque e até para custeio de gastos gerais relacionados à administração – aluguel, folha de pagamento, despesas com água, energia e telefone.

Os interessados devem procurar uma agência do Banco do Brasil, operador do crédito, ou uma das instituições financeiras credenciadas que atuam no Centro-Oeste, a exemplo do Sicredi, GO Fomento, Bancoob e MT Fomento, dentre outras.