Representantes de pelo menos 25 entidades confirmaram, há pouco, em uma reunião entre a prefeita Rosana Martinelli (PR), vereadores e representante da Fundação Santo Antônio, apoio e participação na manifestação que está sendo organizada pelos gestores dos municípios de Sinop, Lucas do Rio Verde, Nova Maringá, Santa Carmen, Vera, Nova Ubiratã, Tapurah, Nova Mutum, União do Sul, Santa Rita do Trivelato, Itanhangá, Feliz Natal, Cláudia e Sorriso cobrando a normalização dos atendimentos no Hospital Regional de Sinop. O presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga, também deve participar do protesto que está previsto para ocorrer nesta terça-feira, às 15h, em frente a unidade hospitalar, na avenida das Itaúbas.

A definição da nova manifestação ocorreu no encontro entre a prefeita de Sinop e os prefeitos das cidades já citadas, secretários e vereadores com o presidente do Consórcio Público e Saúde Vale do Teles Pires e prefeito de Sorriso, Ari Lafin (PSDB), na última quarta-feira. “Nós buscamos ajuda do consórcio para que todos os prefeitos participem desse novo manifesto. A unidade está há mais de 60 dias atendendo apenas emergência. Não podemos continuar com essa situação. Queremos agilidade do governo. Os prefeitos querem que resolva os problemas independente de quem seja o administrador. Nós queremos que seja solucionado o mais rápido possível. Juntamente com os vereadores e entidades estamos organizando o manifesto da melhor maneira sem prejudicar ninguém”, declarou Martinelli, ao Só Notícias, hoje de manhã.

Conforme Só Notícias já informou, na reunião o presidente do consórcio e prefeito de Sorriso, Ari Lafin, organizou um documento que foi encaminhado à Assembleia Legislativa, aos deputados da bancada federal e o governador, Pedro Taques, reportando a situação dos Hospitais Regionais de Sinop, Sorriso e Colíder.

No mês passado, representantes de entidades e lideranças políticas bloquearam a rodovia, na altura do bairro Alto da Glória (saída para Sorriso) para forçar o governo estadual a resolver o problema financeiro dos Hospitais Regionais. Foram colocados pneus e ateado fogo. O bloqueio durou cerca de uma hora.

Com a suspensão de boa parte dos atendimentos do Regional de Sinop, os feridos em acidente e outras pessoas com necessidade de atendimento emergencial estão sendo encaminhadas à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), que está sobrecarregada, segundo o município.