A Justiça Federal ordenou o afastamento do deputado Gilmar Fabris (PSD) do mandato e determinou sua prisão. Policiais federais estão, neste momento, tentando cumprir o mandado. Eles já fizeram buscas e apreensões no apartamento de Fabris, esta manhã, em Cuiabá. É a continuidade da Operação Malebolge, iniciada ontem, que investiga a delação premiada feita pelo ex-governador Silval Barbosa que deputados e ex-deputados recebiam mensalinho como propina.

O mandado de prisão havia sido requerido por obstrução ao trabalho de investigação. Ele não estava em seu apartamento ontem quando foi deflagrada a operação. Há pouco, ao Mídia News, Fabris declarou, por telefone, que retornando a Cuiabá para se apresentar na sede da superintendência da Polícia Federal. “Não procede a acusação da Polícia Federal. Sempre saio de casa por volta das 5h30 da manhã. E também não retirei nenhum documento de minha residência, tanto é que ficaram joias de minha esposa e relógios de minha propriedade no cofre do apartamento”, disse o parlamentar

Federais já fizeram, ontem, buscas no gabinete de Fabris, na Assembleia, bem como nos gabinetes de outros seis deputados. A Procuradoria Geral da República havia solicitado afastamento de sete parlamentares mas o ministros Luiz Fux não autorizou.

A assessoria divulgou nota, há pouco, informando que Fabris está em Rondonópolis, cumprindo agenda política, e “disposto a colaborar com as investigações da Procuradoria Geral da República para estabelecer a verdade dos fatos”.