As professores de quatro municípios de Mato Grosso entraram em greve para cobrar aumento salarial e melhorias trabalhistas, segundo o Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT). Aderiram ao movimentos os servidores das redes municipais de Juruena, Ribeirão Cascalheira, Curvelândia e Santa Terezinha.

Em Juruena, a 893 km de Cuiabá, os professores entraram em greve por tempo indeterminado na terça-feira (22). Eles cobram a reposição salarial de 7,64% e ainda a participação efetiva dos trabalhadores nos conselhos municipais com relação ao transporte e alimentação escolar.

A greve em Ribeirão Cascalheira, a 893 km de Cuiabá, já dura 48 dias. No município, os professores pedem o pagamento do piso nacional para os trabalhadores da Educação. Além disso, eles cobram melhorias na infraestrutura das escolas e transporte escolar de qualidade.

Já no município de Curvelândia, distante 311 km da capital, a paralisação dos professores teve início no dia 7 de agosto. Os professores protestam contra o cancelamento do plano de cargos, carreiras e salários. Os servidores também pedem o pagamento do piso nacional para os trabalhadores da Educação.

Os professores de Santa Terezinha, a 1.329 km de Cuiabá, iniciaram o movimento grevista no dia 10 de agosto. No município, a categoria cobra o enquadramento profissional, transporte escolar de qualidade e melhoria nas escolas.

Eles também reivindicam o repasse da contribuição sindical que, segundo o Sintep-MT, é descontada em folha, mas não é entregue ao sindicato.