A Polícia Nacional do Paraguai confirmou que o foragido da justiça brasileira, inclusive procurado pela Interpol, o réu Santo Martinello, foi encontrado morto em um casa onde estava morando, na cidade de Hernandarias.

O falecimento ocorreu no dia 13 de janeiro de 2017, porém, somente foi anunciado pelas autoridades brasileiras na noite desta quinta-feira, dia 17 de agosto. No atestado de óbito, consta como causa da morte câncer maligno. Consta que a mulher de Santo foi quem o encontrou sem vida e avisou as autoridades do país vizinho.

A confirmação da morte do acusado de estuprar e matar a garotinha Alexia, no dia 12 de junho de 2001, em Lucas do Rio Verde, foi dada pelo delegado Rafael Scatolon. Em 2015 Santo Martinello, mesmo estando foragido, foi julgado e condenado em júri popular no dia 10 de novembro.

Na ocasião o juiz criminal, Hugo José de Freitas, leu a sentença de 31 anos e cinco meses, sendo 22 anos e oito meses por homicídio qualificado, sete anos e seis meses por estupro e um ano e três meses por violentar a vítima após a morte.

“Nos pouco mais de 2 anos em que trabalhei em Lucas, sempre procuramos informações e diligenciamos atrás do paradeiro de Santo Martinello.  No início desse ano, eu recebi a informação que possivelmente ele estaria nessa cidade de Hernandarias. Em razão disso, eu comuniquei a Polícia Federal e solicitei a Interpol o auxílio para que fosse confirmado esse óbito, tendo vista que se tratava de um crime de grande repercussão em Lucas do Rio Verde. A Polícia Federal fez a sua parte, indo até o Paraguai, e acabou confirmando que se tratava realmente de Santo Martinello. Hoje a Policia Federal me respondeu que realmente se trata de Santo Martinello”, salientou o delegado Rafael Scatolon, que hoje está lotado na cidade de Pontes e Lacerda.

A informação é de que o corpo de Santo Martinello foi sepultado na cidade paraguaia.

Leila Lodi, mãe da Aléxia, falou a nossa reportagem que se sente aliviada. “Desde o dia que fiquei sabendo e recebi as fotos que identificamos que era ele, fiquei mais aliviada, pois sei que minha filha pode descansar em paz”.

Leila contou que ficou sabendo através de uma mulher paraguaia que vivia com Santo em uma chácara na cidade paraguaia, que ela descobriu o nome verdadeiro do Santo assim que ele morreu, pois encontrou sua verdadeira identidade e ao fazer buscas na internet encontrou as notícias que diziam que ele era procurado pela justiça. “Ela me pediu desculpas por não ter descoberto antes, e poder ter entregado ele a polícia, sei que ela não sabia do caso, e por isso me procurou”. disse Leila.

Santo Martinello foi incluído na lista de procurados da Interpol no ano de 2006, acusado de estuprar e matar a Alexia Lodi em 2001 em uma chácara no bairro Cidade Nova, a garota estava com 6 anos de idade. Santo foi acusado, pelo Ministério Público, de violentar sexualmente e asfixiar a garota.
O Poder Judiciário tentou por várias vezes descobrir o endereço de Santo Martinello, mas foi em vão.