Está confirmada a vinda do presidente da República, Michel Temer (PMDB), a Lucas do Rio Verde na próxima sexta-feira (11), para a inauguração da usina de produção de Etanol de milho, FS Bioenergia.

O presidente chegará acompanhado do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Blairo Maggi, assim como do secretário de Políticas Agrícolas, Neri Geller, do ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho e do governador de Mato Grosso Pedro Taques. Participação da inauguração produtores, lideranças políticas e empresários ligados ao ramo.

A usina que possui investimento e tecnologia americana terá a capacidade de produzir cerca de 200 milhões de litros de etanol de milho por ano. Foram cerca de R$ 350 milhões em investimentos.

Antes de chegar a Lucas, Temer deve passar por Sapezal onde realizará a abertura da colheita de algodão em Sapezal.

Com a abertura da colheita da safrinha, daqui a cinco meses, uma nova janela de oportunidade se abrirá para os produtores de milho do Mato Grosso. Junto com o milho novo estará sendo inaugurada a primeira usina exclusiva de etanol extraído do grão. Na verdade, esse novo canal de venda já está funcionando desde agosto, setembro passados. A FS Bioenergia já começou a garantir a matéria-prima àquela época.

Hoje, das 560 mil toneladas que vão ser esmagadas em 2017, a partir da inauguração, no começo de junho, o CEO Rafael Abud aponta a contratação fechada de 20%. Até dezembro, FS espera desovar nos postos em torno de 220 milhões de litros de etanol hidratado.

A unidade de Rio Verde, associação da grupo americano Summit com a local Fiagril Participações – que vendeu fatia de sua trading para os chineses da Hunan Dakang, em maio de 2016 -, vai escoar a produção no Mato Grosso, alcançar algumas praças do Norte e, num futuro, acessar o mercado nordestino, altamente importador de combustível renovável. Apesar da distância, a distribuição não preocupa Abud, o que deverá acontecer, com maior segurança, quando a usina dobrar a produção numa segunda fase – talvez quando o Brasil já souber quem será o substituto do presidente Michel Temer, lá pelo final de 2018.

Custo X tecnologia

Também não preocupa o dirigente da FS Bioenergia a volatilidade do cereal, obviamente na subida da tabela, podendo encarecer os custos de produção. O risco há, naturalmente, se conforma Rafael Abud. Porém, ele acredita que situações limites como a do primeiro semestre de 2016, quando o milho explodiu, não deverão repetir. “O ano passado foi a tempestade perfeita”, exemplifica o executivo lembrando da forte demanda externa, dólar alto, crise política e produção que não saiu como se esperava.

Na safrinha 16/17, por exemplo, já está praticamente garantida uma boa produção e boa produtividade diante dos bons ventos da soja verão que apontam para o plantio dentro da janela ideal, bem como um clima ainda sem contratempo nos mapas metorológicos.

Para completa, as possibilidades de amortecer possíveis baques no custeio operacional sem comprometer a renda obtida na distribuição do etanol, que perderia competitividade, o CEO da FS lembra que a alta tecnologia dos equipamentos trazidos dos Estados Unidos – pátria do carburante dessa matriz – que se traduz em produtividade e gerará a produção de derivados. Da usina de Lucas do Rio Verde vão sair também farelo de milho com alto teor proteico para bovinos, suínos e aves (DDGs). Além de óleo bruto de milho.

Mais uma?

Outra empresa americana colocou no radar o Mato Grosso como possível porto futuro para mais uma usina exclusivamente do mesmo etanol que a FS, é a IMC Inc. Os gestores estiverem reunidos com o governo mato-grossense, em dezembro, coletando informações sobre os programas de incentivos a investimentos para olharem as potencialidades gerais. Devagar o mercado começa a gerar novos destinos e formatos de distribuição para os produtores, que até então têm como única plataforma de descarga, no caso do corredor de combustível, as usinas flex, que se encontram na macro-região estendida até o Mato Grosso do Sul – e que operam a maior parte do tempo esmagando cana.