O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocupou na manhã desta terça-feira (25), fazenda pertencente ao Grupo Amaggi, na BR-163, em Rondonópolis (212 km ao sul de Cuiabá), protesto em alusão ao dia do trabalhador rural.

Segundo o MST, manifestação inicia jornada nacional de luta pela Reforma Agrária com o lema “corruptos, devolvam nossas terras”. Movimento aponta que a Reforma Agrária está vinculada à luta pelo restabelecimento da democracia, golpeada por uma conspiração muitas vezes realizada nas sedes de ricas fazendas.

Aponta ainda para os assassinatos no campo, que de acordo com dados, apenas neste ano, 68 pessoas morreram, incluindo 13 jovens, 6 mulheres, 13 indígenas e 4 quilombolas.

Além das ocupações de fazendas o MST ainda realiza vigília até o dia 2 de agosto, quando será julgada pela Câmara de Deputados a denúncia de corrupção contra o golpista Temer.

O movimento critica o grupo, principalmente pelo fato de concentrar grandes áreas de terras e ser apontado como destruidor do meio ambiente.