A Interpol, polícia internacional, pediu informações à Gerencia de Combate a Crimes de Alta Tecnologia (Gecat), que vem investigando, em Mato Grosso, casos de envolvimento de adolescentes com o jogo mortal da Baleia Azul.

O Gecat investiga pelo menos 25 casos suspeitos. A Interpol persegue aliciadores no mundo, uma vez que o jogo começou em uma rede social na Rússia e se espalhou.

Estima-se que já tenham ocorrido pelo menos 100 casos confirmados de suicídio de jovens associados ao jogo.

Em Mato Grosso, nenhum aliciador foi preso até agora. A escrivã Daveline Pereira Leite, que atua no Gecat, explica que a Interpol quer saber como está o andamento das investigações e a gerência deu detalhes de tudo que sabe até agora sobre as vítimas e os possíveis aliciadores.

Nesta terça-feira (18), a Polícia Civil em 9 estados desencadearam operação para cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão.

Ainda não há confirmação se a operação afeta Mato Grosso.

Na Polícia Judiciária Civil, a informação é a de que o primeiro caso registrado no Estado, em Vila Rica (1.259 km a Nordeste), ainda não está solucionado. Adolescente de 16 anos cometeu suicídio na madrugada do dia 11 de abril deste ano. O corpo dela foi encontrado na represa de um praça da cidade.

Após este caso, outros surgiram na capital e interior.

Uma menina de 12 anos, de Cuiabá, que foi convidada para participar do jogo, contou ao Gazeta Digital como funciona o aliciamento.