Operação contra roubo de carga e receptação ocorre em Mato Grosso

PF e PRF cumprem 84 ordens judiciais expedidas pela Justiça de Sergipe. 'Operação Canto da Sereia' acontece em AL, BA, GO, MT, SE e SP.

21

RECEPTAÇÃOUma operação contra roubo de carga e receptação foi realizada em seis estados na manhã desta sexta-feira (9) – Alagoas, Bahia, Goiás, Mato Grosso, São Paulo e Sergipe. Mais de 300 policiais tinham a missão de cumprir 84 ordens judiciais expedidas pela Justiça de Sergipe, sendo 28 mandados de prisão preventiva, 7 de prisão temporária e 49 de busca e apreensão nos seis estados. O prejuízo estimado pode passar dos R$ 15 milhões.

A operação terminou por volta das 10h com 28 pessoas presas, os demais mandados de prisão continuam abertos e os suspeitos já são considerados foragidos. Eles não foram encontrados nos endereços listados durante a investigação.
Entre os suspeitos, um foi flagrado aliciando caminhoneiros às margens da rodovia no município de Santo Amaro das Brotas (SE). Segundo a assessoria de comunicação da Polícia Rodoviária Federal (PRF), ele resistiu à prisão e atirou contra os policiais, que revidaram. O suspeito foi atingido e chegou a ser levado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Os presos foram detidos em Sergipe, Bahia, São Paulo, Goiás e Mato Grosso. Mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Alagoas. A PRF informou ainda que dois veículos roubados foram recuperados e que também foram localizados dois caminhões com mercadorias roubadas como pneus e equipamentos eletrônicos, além de quatro armas de fogo e R$ 60 mil em espécie.

Os 84 mandados de prisão e de busca e apreensão eram destinados a suspeitos de Aracaju, Cristinápolis, Itabaianinha, Umbaúba, Boquim, Nossa Senhora do Socorro, Estância e Tobias Barreto em Sergipe. A ‘Operação Canto da Sereia’ também aconteceu em Euclides da Cunha e Caldas do Jorro (Bahia), Porto Calvo (Alagoas), Taubaté (São Paulo), Rondonópolis (Mato Grosso) e Aparecida de Goiânia (Goiás).

De acordo com informações da Polícia Federal (PF) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF), os criminosos aliciavam motoristas para que entregassem cargas de interesse da quadrilha. A investigação apontou ainda que, em alguns casos, os próprios motoristas ofereciam as mercadorias aos aliciadores.

A polícia explicou ainda que após a negociação, o motorista registrava ocorrência policial como roubo em outro estado para dificultar a investigação. A organização criminosa oferecia a logística para transportar, esconder e repassar a carga roubada com receptadores que revendiam os produtos em estabelecimentos comerciais.

Os presos em Sergipe serão encaminhados para a sede da Polícia Federal em Aracaju para prestarem depoimento e depois serão encaminhados para o Complexo Penitenciário Doutor Manoel Carvalho Neto (Copemcan), em São Cristóvão.

Os autores do crime deverão ser indiciados pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva, fraude à licitação, falsa comunicação de crime e de formação de organização criminosa. As penas culminadas podem superar 700 anos de prisão.

O nome da operação foi escolhido em representação à lenda do canto da sereia, em referência ao aliciamento que é feito pela quadrilha aos motoristas de transporte de cargas. Eles ficariam encantados com a oferta criminosa.

A operação desta sexta-feira é um desdobramento da ‘Operação Subida da Torre’, ação conjunta da PF e PRF em dezembro de 2015. Desde então, os criminosos vinham agindo diferente e ao invés de utilizarem violência convenciam os motoristas a entregarem as mercadorias. A polícia identificou que, apesar da redução do roubo de cargas, desvios continuavam acontecendo nas BRs 101,116 e 316 nas divisas de Sergipe, Bahia, Alagoas e Pernambuco.