Sorriso: parte dos pacientes do Hospital Regional será transferida para outras unidades

62

Mesmo após ação ajuizada pelo Ministério Público do Estado, o Governo do Estado ainda não anunciou quando será feita a quitação dos repasses atrasados relativos aos serviços de saúde pública prestado por fornecedores e prestadores de serviço do Hospital Regional de Sorriso.

De acordo com um ofício protocolado hoje (24), para que ocorra a diminuição do serviço prestado e ajuste de escalas devido à falta de profissionais médicos, parte dos pacientes internados nas enfermarias clínica médica e cirúrgica, assim como na Obstetrícia, será transferida para outras unidades hospitalares do Estado.

Um relatório com os dados dos pacientes será feito e enviado à Central da Regulação para que ocorra a transferência assim que surgirem vagas em outras unidades hospitalares. “Nós vamos regular todos que já estão internados para reduzirmos os números de leitos”, informou o diretor do corpo clínico, Rodrigo Bezerra.

Por causa do atraso no pagamento dos salários, muitos médicos já saíram do HRS e outros diminuíram a carga horária para ampliá-la em outras unidades onde o pagamento é feito em dia.

Além da redução dos profissionais, o Hospital Regional de Sorriso tem enfrentado uma situação caótica com a escassez de insumos hospitalares.

Continuam em atraso, segundo consta no ofício, os repasses referentes aos meses de agosto e setembro deste ano.

Conforme o corpo Clínico do Hospital Regional de Sorriso informou será mantida a total suspensão dos atendimentos ambulatoriais e cirurgias eletivas.

No setor de urgência e emergência só serão atendidos pacientes levados pelo Corpo de Bombeiros ou os que tenham encaminhamento proveniente da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e de cidades que fazem parte do consórcio Vale do Teles Pires.

A previsão é que o serviço só volte à normalidade “após a quitação dos valores em atraso, bem como apresentação formal de um calendário de Repasses para o restante do ano de 2016”.

O ofício foi enviado à direção geral e técnica do HRS, ao Ministério Público do Estado de Mato Grosso, ao Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso e à Secretaria de estado de Saúde de Mato Grosso (SES).

O entrou em contato com a assessoria da SES e ainda aguarda resposta.

Doc regional