Polícia de Jaciara prende suspeito de ter matado mulher com requintes de crueldade

514

corpo decapitadoUm homem acusado do homicídio, em que uma mulher foi decapitada, foi preso em flagrante pela Polícia Judiciária Civil, na quarta-feira (31.08), em Jaciara (144 km ao Sul). Logo após o crime, Anderson Morais de Souza, 26, conhecido como “Maranhão”, foi preso por tráfico de drogas. Enquanto estava detido, o suspeito foi identificado autor do homicídio bárbaro.

As investigações iniciaram na manhã de quarta-feira (31), quando investigadores da Delegacia de Jaciara foram acionados da existência de um cadáver as margens da Rodovia MT-260, próximo a ponte do Rio São Lourenço, divisa entre os municípios de Jaciara e dom Aquino. Em diligências no local, policiais encontraram o corpo de uma mulher, sem a cabeça

Durante outra diligência, em um bar no bairro Planalto, os investigadores flagraram o suspeito Anderson com uma pedra grande de pasta base de cocaína e outra de maconha, que estavam escondidos no telhado de um quarto. Mais duas porções de drogas foram encontradas na janela do cômodo.

Com o flagrante, o suspeito foi conduzido a Delegacia de Jaciara, onde foi autuado em flagrante por tráfico de drogas. Enquanto era interrogado, policiais receberam uma denúncia anônima de que Anderson estaria ligado diretamente ao homicídio da mulher decapitada.

Segundo as informações, a vítima havia sido morta pelo próprio suspeito com ajuda de outros comparsas. Em um novo interrogatório, o suspeito foi questionado a respeito do homicídio cruel e acabou confessando o crime.

Após a confirmação da autoria, o acusado levou os policiais até o local do crime. Com a indicação do suspeito, a cabeça da vítima, que até o momento, ainda não havia sido encontrada, foi localizada em um matagal do outro lado da pista. A vítima foi identificada por seu genro como, Lúcia Emília da Silva Bembem, de 50 anos de idade

O suspeito foi autuado em flagrante por homicídio qualificado. As investigações continuam com objetivo de identificar outros envolvidos no crime e esclarecer a motivação.