Indea monitora propriedade e orienta sobre raiva de herbívoros

69

agropecuariaA raiva de herbívoros não é uma doença que passa para o homem, mas provoca a morte dos animais e prejuízos financeiros se não for diagnosticada de imediato. O Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT) faz o monitoramento da raiva quando informado, envolvendo um raio de 12 quilômetros em volta do local onde tenha ocorrido o fato. O dono da propriedade deve estar atento e comunicar as autoridades para melhor eficiência do trabalho.

Em 2015 foram notificados 41 focos de raiva e até junho deste ano foram 23 focos. Recentemente, foi constatada a doença em uma propriedade de Lucas do Rio Verde, após a morte de alguns bovinos atacados por morcegos da família dos hematófagos. A situação foi notificada ao Indea, que tomou as providências.

“As ações de controle são feitas exclusivamente pelos técnicos do Indea, nos locais onde houve incidência da doença. Nesse caso incluem a vacinação e revacinação dos animais, além do controle da população dos morcegos desmodusrotundus (morcegos vampiros)”, explica o fiscal de defesa agropecuária e florestal do Indea, Ernani Machado de Lima.

A Secretaria de Estado de Saúde(SES-MT) também é notificada para iniciar a investigações junto aos animais carnívoros (cães e gatos) e a vacinação dos mesmos.

Para identificar a ação dos morcegos herbívoros é preciso estar atento às sugaduras, pelo sangue que acaba escorrendo pelo corpo do animal. Os morcegos costumam agir mais de uma vez no mesmo animal e local onde atacaram. Mas o rebanho bovino não transmite a doença para o homem. “O boi não morde. Ele desenvolve a doença e morre. No entanto, o contato da saliva do animal, seja cão ou gato ou mesmo do boi, com a pele ferida de uma pessoa contamina. Por isso é necessário todo cuidado e qualquer manipulação de medicamentos, inclusive, deve ser feito com luvas. Uma mordida do cão com a doença também afeta o homem e não tem cura, leva a óbito”, explica o fiscal.

O vírus da raiva herbívora não afeta todas as espécies de morcegos, somente a dos hematófagos. Eles só procriam uma vez ao ano, portanto, não se disseminam com tanta rapidez, o que torna possível o controle da doença.

O Indea não interdita a propriedade por conta da identificação da doença, apenas faz o monitoramento para prevenir o contágio.

Captura

A captura e consequente prevenção da raiva provocada pelos morcegos hematófagos exigem alguns preparos. Uma orientação é aprisionar os animais em um único espaço e monitorar a ação dos morcegos vampiros para pegá-los. Identificar o abrigo (esconderijo) deles, que tem hábitos noturnos e se escondem em locais escuros durante o dia, também faz parte desse trabalho. Entre eles, oco de árvores, poços, fossas, cavernas. Outro meio para localização são as fezes, que são líquidas e com odor forte, uma vez que se alimentam de sangue. No caso das demais espécies de morcegos, elas contem restos de alimentos, insetos e são firmes.

Ao contrário do que se pensa, essa captura não significa matá-los imediatamente. “Eles recebem a aplicação de uma pasta vampiricida sobre as costas que faz com que sequem, proporcionando a morte deles. Essa aplicação é feita também em volta da sugadura encontrada no animal para que quando os morcegos retornem se ‘sujem’ dessa pasta. No abrigo eles se amontoam e vão passando essa pasta entre eles, ocasionando a própria exterminação”, frisa Ernani, ao explicar que a espécie migra para outras regiões, ocasionando a manifestação em diferentes áreas do estado.