Pré-registro da Delegacia Virtual facilita comunicação de delitos

Pelo portal o comunicante também pode acompanhar o andamento do registro, solicitar autenticação da ocorrência e número de protocolo

86

Delegacia VirtualO pré-registro de boletins de ocorrência é dos treze serviços disponibilizados pela Delegacia Virtual disponível no Portal da Segurança Pública (http://portal.sesp.mt.gov.br/delegacia-web/pages/home.seam). A ferramenta está em funcionamento desde o final de janeiro de 2016, para facilitar a comunicação de crimes de qualquer natureza.

O pré-registro foi criado para tornar mais rápido a atendimento na Delegacia de Polícia. O cidadão de casa inicia o preenchimento dos dados da ocorrência. No final do preenchimento do formulário é gerado um número de protocolo, para que no prazo de 48 horas o comunicante compareça em uma Delegacia de Polícia, para finalizar o boletim de ocorrência e impressão do documento.

O serviço tem tido bastante procura na Delegacia Virtual por proporcionar tranquilidade ao comunicante no relato dos fatos. A nova ferramenta diminuiu o tempo de espera na Delegacia de Polícia e tornou o atendimento mais rápido, uma vez que o atendente apenas confirma as informações já existentes, insere a tipificação criminal e faz o encaminhamento da comunicação para providência cabível.

“A pessoa não precisa estar presente inicialmente na delegacia e pode escrever com calma a narrativa dos fatos”, como explica a auxiliar administrativa, Denise Regina Pereira, 23, que já usou diversas vezes do pré-registro. “Além de tudo o pré-registro é fácil e muito simples. As perguntas são bem específicas e ainda se pode adiantar o registro de qualquer crime”, afirmou.

Satisfeita com o serviço, a auxiliar administrativa contou que quando algum cliente comenta que precisa fazer um boletim de ocorrência, ela indica o pré-registro. “Com  com o protocolo em mãos, o tempo na delegacia para validar o documento fica mais rápido”, frisou.

A Delegacia Virtual utilizada a versão 3 do sistema e desde janeiro passou a oferecer ao cidadão nove opções a mais de registro de boletim, além das quatro já existente (extravio, furto, desaparecimento de pessoas e denúncia).  Pela internet, qualquer pessoa pode comunicar ocorrências das naturezas: furto de celular, exercício ilegal da profissão, ameaça, calúnia, difamação, injúria, constrangimento ilegal, violação de serviços.

Números

Somente nos primeiros seis meses do ano 2016, quase 27 mil ocorrências já foram registradas pela Delegacia Virtual. O extravio de documentos é o serviço mais procurado, tendo sido registrado mais de 20 mil boletins, seguido de furto, ameaça, e denúncia. No ano de 2015, a Delegacia Virtual ultrapassou 42 mil ocorrências, das quais 34.498 foram para extravio ou perdas de documento.

Conforme a coordenadora da Delegacia Virtual, Célia Silva Queiroz, o cidadão cada vez mais utiliza a internet para registrar suas ocorrências, pela comodidade do serviço, principalmente. Os maiores acessos são de pessoas de Cuiabá e Várzea Grande.

“No mês de junho, por conta da greve dos servidores do Estado, a Delegacia Virtual alcançou o número total de 5.764 registros, sendo desses somente 792 não validados”, destacou Célia Queiroz.

Ambiente Virtual

O ambiente da Delegacia Virtual registra boletins de ocorrências em três idiomas, português, inglês e espanhol e traz explicações para cada um dos serviços disponibilizados no sistema, para que o boletim seja confeccionado na modalidade correta.

No caso de crime cometido com violência e grave ameaça à vítima, como roubos, arrombamentos, estupros e outros delitos, o cidadão deve procurar uma delegacia fixa, por haver necessidade de perícia e tomadas de providências urgentes. O pré-registro poderá ser feito, mas a vítima deve comparecer logo de imediato na Delegacia.

Pelo portal o comunicante também pode acompanhar o andamento do registro, solicitar autenticação da ocorrência e número de protocolo. Também estão disponíveis os telefones úteis para denúncias e informações da Polícia Civil (197), Polícia Militar (190), Bombeiros (193), e Defesa da Mulher (180).

Após o registro, o boletim passa por conferência e checagem de informações, que vai garantir se a ocorrência registrada está de acordo com os serviços processados pela unidade virtual e a veracidade de dados prestados pelo usuário, em um prazo de até 15 minutos.