eleiçoesMais de 40 candidatos a vereador e prefeito de Cuiabá e Várzea Grande, na região metropolitana, podem ter as candidaturas impugnadas pela Justiça Eleitoral. Entre os motivos, estão a falta de prestação de contas em relação à última eleição, improbidade administrativa, ausência de domicílio eleitoral e até mesmo por falta de título de eleitor.

“Pessoas que foram candidatas na eleição passada que não prestaram contas, nós tivemos impugnação por condenação criminal com trânsito em julgado, tivemos também impugnação por ato de improbidade administrativa”, disse o promotor de Justiça Luciano Freiria de Oliveira.

Em Várzea Grande, dos 232 candidatos registrados, para 17 foram pedidas impugnação de candidatura. Entre eles, está o candidato a prefeito de Várzea Grande, Pery Taborelli (PSC).

 

Foi a impugnação de um partido contra o candidato a prefeito Taborelli em que impugnaram com base na improbidade administrativa. Mas a possibilidade dessa impugnação ser julgada improcedente é muito grande e positiva”, disse o promotor.

Houve ainda candidato sem título de eleitor disputando uma vaga na Câmara de Vereadores de Várzea Grande. “Esse foi um caso inusitado porque a pessoa se candidatou sem ter título eleitoral”, disse Oliveira.

Cuiabá tem o maior colégio eleitoral de Mato Grosso e também o maior número de candidatos. São 484 e, desse total, 29 tiveram pedido de impugnação para suas candidaturas pelo Ministério Público. Os motivos são variados, segundo o Ministério Público.

 

Ausência de domicílio eleitora, problemas cadastrais, não comunicação por exemplo da condição de formação acadêmica, reprovação de contas em outros pleitos”, declarou o promotor de Justiça Vinícius Gahyva.

O deputado estadual Emanuel Pinheiro, que concorre à prefeitura da capital, teve o registro da candidatura impugnado por falta de quitação eleitoral – quando faltam documentos para serem apresentados.

A decisão final das impugnações será dada quando o Tribunal Regional Eleitoral avaliar todos os processos.

Outro lado
Em nota, a assessoria do deputado Emanuel Pinheiro disse que ele já comprovou a quitação eleitoral. Já o caso de Taborelli está sob análise na Justiça Eleitoral.