Multas por queimadas em zonas rurais de Mato Grosso podem chegar a R$ 7,5 mil

Mato Grosso lidera o ranking nacional de queimadas, segundo o Inpe. Período proibitivo de queimadas vai de 15 de julho a 15 de setembro.

111

queimadasDurante o período proibitivo em Mato Grosso as multas por queimadas em zonas rurais podem chegar a R$ 7,5 mil por hectare.  Segundo a Secretaria estadual de Meio Ambiente (Sema), o período de proibição vai de 15 de julho a 15 de setembro, podendo ser prorrogado de acordo com as condições climáticas. O estado, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), lidera o ranking nacional de queimadas.

O valor das multas varia de um mil a R$ 7,5 mil por hectare, dependendo da área queimada. Os proprietátios que forem pegos queimando áreas fora de reserva local podem ser multados em até R$ 1,5 mil por hectare queimado. Já as queimadas dentro das reservas legais podem gerar multa de até R$ 7,5 mil por hectare.
De acordo com a Sema, no período proibitivo do ano passado, o estado registrou 30 mil focos de calor, ficando em segundo lugar no ranking nacional.
Segundo o Inpe de janeiro a 5 de julho deste ano, foram registrados 7.054 casos de queimadas no estado, um aumento de 32% em relação ao mesmo período do ano passado, quando 5.351 ocorrências foram registradas.
O número é alto, principalmente quando comparado ao segundo estado do ranking nacional, Roraima, que registrou 3.161 casos neste mesmo período, o que representa menos da metade das ocorrências registradas em Mato Grosso.
Segundo o levantamento do Corpo de Bombeiros, 86,74% dos focos de calor estão concentrados em propriedades privadas. O restante é distribuído em projetos de assentamento (4,28%), terras indígenas (7,02%), unidades de conservações federais e estaduais, (0,58%) e (0,94%), respectivamente, e a região metropolitana de Cuiabá (0,44%).
A campanha de conscientização para o período proibitivo de 2016 alerta para os prejuízos econômicos que as queimadas provocam, como aumento por demanda de atendimento médico e gastos com saúde. Já para os produtores, entre as consequências estão o empobrecimento do solo e erosão.