MT: Governo melhora proposta e Sintep decide se encerra greve na 2ª

509

0f916f10dcadb13b1682de1b51b9d6feO secretário de Estado de Educação, Marco Marrafon, apresentou uma “nova” proposta ao Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), durante uma reunião no Ministério Público Estadual (MPE), na tarde terça-feira (26), com objetivo de pôr fim à greve dos servidores, que já ultrapassou os 50 dias.

Na reunião, que durou cerca de quatro horas, Marrafon se comprometeu em conceder o restante da Revisão Geral Anual (RGA) de 3,92% em 2017, o que garante o piso de maio de 2016 da categoria, no total de R$ 2.331,74.

O pagamento não ficará condicionado ao estouro da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Já os 7,36%, totalizando os 11,28% da revisão inflacionária deste ano, serão pagos em três vezes, conforme prevê a lei aprovada na Assembleia Legislativa.

Uma comissão paritária, com a presença do MPE, acompanhará periodicamente as contas do Governo, com o objetivo de integralizar os percentuais em aberto, o quanto antes.

O secretário garantiu ainda não dar prosseguimento ao projeto das parcerias público-privadas (PPPs) da Educação estadual sem antes debater com a sociedade.

Conforme Marrafon, o projeto será concluído em setembro. Logo depois,  será debatido um cronograma com o Sintep para definir as datas das conferências.

Segundo ele, caso o projeto não seja aceito pela população, o Governo vai buscar outra forma para construir novas escolas.

Já com relação ao concurso público, o secretário manteve a proposta de realizar o processo ainda neste ano e as nomeações em 2017. Além disso, o concurso também apresentará vagas a diversos cargos da área educacional.

“O Governo está fazendo sua parte e a Educação compreende um planejamento estratégico prioritário nesta gestão. Queremos tornar a Educação de Mato Grosso referência nacional. E este entendimento é muito importante para que possamos lançar novas políticas públicas e novas ações com foco nas melhorias e qualidade da Educação. A busca pelo fim da greve visa a garantir o direito fundamental do aluno, que é estudar”, disse Marrafon.

“Avanço”

O presidente do Sintep, Henrique Lopes, convocou uma assembleia geral na segunda-feira (1º) para decidir se a categoria vai ou não aceitar a nova proposta do Executivo.

A expectativa é de que o movimento grevista seja encerrado. .

“Não dá para dizer que não houve avanço, e por isso os trabalhadores podem ver essas readequações como positiva”, disse Henrique.

O promotor de Justiça em Cuiabá e titular do Núcleo de Defesa da Cidadania, Henrique Schneider Neto, classificou a reunião como produtiva e reforçou a possibilidade do fim da greve.

“A reunião foi extremamente positiva, do ponto de vista dos encaminhamentos relacionados à greve. A intervenção do Ministério Público Estadual (MPE) visou aproximar o Sindicato e da Seduc, como também encontrar um caminho para que a greve chegue ao seu fim. Acredito que esta paralisação vai chegar a seu fim”.

A greve

Os servidores da Educação estão em greve há exatamente 55 dias. No mesmo dia, outras 27 categorias do funcionalismo também cruzaram os braços contra o não pagamento da reposição inflacionária, de 11,28%. A maioria já retornou ao trabalho.

Além do Sintep, permanecem parados os servidores ligados à Associação dos Docentes da Universidade do Estado de Mato Grosso (Adunemat) e ao Sindicato dos Técnicos da Educação Superior da Universidade de Mato Grosso (Sintesmat).

O Sintep não divulgou quantas escolas estão sem aula. No total, as unidades contam com cerca de 400 mil alunos.

A Justiça chegou a declarar o movimento legítimo.

A liminar, assinada pelo desembargador Juvenal Pereira da Silva, afirma que o direito dos servidores da Educação à recomposição salarial está previsto na Constituição.

RGA

O valor da reposição inflacionária, que deve ser paga aos servidores ativos, inativos e pensionistas do Estado, foi aprovado pela Assembleia Legislativa e sancionado pelo governo no dia 1º de junho.

A lei prevê pagar 7,36% de reposição salarial em três parcelas.

O texto cita que o pagamento se dará da seguinte forma: 2% em setembro de 2016, sobre o subsídio de maio de 2016; 2,68% em janeiro de 2017, sobre subsídio de janeiro de 2017 e 2,68% em abril de 2017, sobre o subsídio de janeiro de 2017, atingido dessa forma 7,36%. Como incidem juros sobre juros, no final a revisão ficará em 7,54%.

Os outros 3,92% também seriam pagos no ano que vem, mas condicionados à Lei de Responsabilidade Fiscal, que fixa limite máximo de gasto do Estado com a folha de pagamento a 49% da Receita Corrente Líquida.