fraude despachanteFoi preso em flagrante na tarde de ontem (27) o chefe da 49ª Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran) de Lucas do Rio Verde, ele é acusado de inserção de procedimentos falsos no sistema de informação do Detran de Mato Grosso.

De acordo com o delegado Rafael Scatolon, o caso é investigado pela Corregedoria do Detran deCuiabá, que contou com o apoio da Polícia Civil de Lucas do Rio Verde que efetuou a prisão desse chefe do Ciretran.

Ele foi preso em flagrante após investigação da Corregedoria do Detran deCuiabá, que acionou a Polícia Civil. O crime aconteceu devido ao movimento grevista, o qual ele estava encaminhando veículos e autorizando os fabricantes de placas do município a realizarem o decalque dos veículos e a vistoria. E esse serviço é exclusivo do Detran” disse o delegado.

Scatolon explicou que o crime se enquadra no artigo 213A do código penal, pois a “partir do momento que ele insere a informação no sistema do Detran de Mato Grossopessoalmente, o qual ele realizou a vistoria e autorizou as fábricas a realizarem o serviço, isso se caracteriza crime de inserção de dados falsos no sistema do Detran”.

Quanto a parentesco do chefe do Ciretran a um dos fabricantes de placas da cidade, o Delegado afirmou que tudo está sendo apurado, pois se caso houver beneficiamento à empresa, ela pode ter o registrado cassado.

“Tudo será apurado durante o inquérito policial, aparentemente a contratos do detran essa empresa não deveria estar funcionando em razão do parentesco com o Chefe do Ciretran e a corregedoria do Detran tomará as providencias necessárias e se comprovado os benefícios a empresa pode ser cassada e perder o direito de prestar serviço ao órgão público” explicou Scatolon.

Extraoficial, o chefe da Ciretran reconheceu que inseriu dados irregularmente, mas alegou que“alguns caminhões estavam parados devido a falta de vitorias e não podiam rodar, por isso teria agilizado a documentação” disse.

O acusado está detido na Delegacia de Polícia Civil e deve ser encaminhado para a Cadeia Pública de Lucas do Rio Verde, onde aguardará a decisão da justiça da 4ª Vara, já que o crime cometido foi em flagrante e não possui fiança. Além disso corregedoria investiga se outras inserções ou crimes podem ter sido realizadas pelo chefe da Ciretran.