sintep tapurah greve reuniaoEm reunião realizada ontem (27/05), nas dependências da Escola Estadual Cândido Portinari, os profissionais da educação junto com presidente da Subsede do Sintep Tapurah MT, debateu com pais e alunos sobre a deliberação da greve por tempo indeterminado já aprovada na na assembleia geral da categoria no dia 23/05, em Cuiabá MT.

Entre os pontos apresentados o Professor Cleomar Campos, fez uma explanação sobre os direitos e conquistas dos profissionais da educação da rede estadual de ensino, garantias promovidas com a greve de 2013, resultando assim, na lei 510/2013, que passou a determinar:

Hora atividades para os professores interinos; O dobro do poder de compra salarial para todos profissionais da rede estadual de educação, sendo dividido em 10 parcelas, acima dos índices inflacionários anuais; Garantia de reformas as escolas em situações precárias; exigência de convocação de profissionais classificados em concurso da área da educação;

Assim, algumas ações do atual governo tem prejudicado a garantia desses direitos, no ano de 2015 reparcelou a mensalidade garantida na lei 510/2013, além de causar transtornos nas atribuições de aulas nas escolas estaduais, tem demostrado morosidade nas reformas das unidade escolares do estado, citamos ainda, a imposição de regras não democráticas a sala do educador, outro ponto que causou mau estar no cenário educacional. Essas ações levaram os profissionais da educação a decretar estado de greve desde de 2015, onde foi informado ao governo a solução imediata desse problemas, mediante ao estado de greve, foi feito um calendário de mobilização, aonde houve vários dias de paralisação por tempo determinado. Mesmo com as mobilizações realizadas desde de 2015, o governo não reagiu as reivindicaçõe, para piorar a situação, agora ele declara não ter condições de cumprir a lei 510/2013 por inteiro no mês de Maio e não deixou uma previsão para cumprimento o direito legal. Não bastasse essas triste realidade, ainda anunciou o programa MTPAR, que em seu documento oficial, não deixa claro os serviços a serem privatizados, ao mesmo tempo que afirma ser somente os serviços não pedagógicos, propõe privatizar os servidos de gestão e manutenção das escolas. O que fica contraditório.

sintep tapurah greve reuniao 2Foi esclarecido que esse programa não foi debatido com a comunidade escolar e os profissionais da educação cobra esclarecimentos quanto a real finalidades desse programa, queremos e lutamos por escola pública de qualidade e gratuita para todos. Explicou o professor Cleomar.

Após o debate, os pais e alunos entenderam e apoiaram os profissionais da educação na luta. Cobrando ainda a reforma imediata da Escola Cândido Portinari, que e atualmente encontra – se em situação de risco, pois a laje superior saguão de entrada cedeu 13 centímetros e está interditado, fato que tem causado medo aos pais alunos e profissionais da escola.

A greve Geral dos trabalhadores/as da rede Estadual de Educação começa a partir do dia 31/05, exigindo do governo:

Cumprimento integral das leis que asseguram a valorização dos trabalhadores/as RGA + A lei 510/2013;

Contra o processo de Privatização dos Serviços públicos e da gestão escolar;

Pela realização de concurso público já, uma vez que 60% dos profissionais são contratados temporariamente;

Exigir a apuração das denúncias de corrupção e desvio de recursos da educação, e a devolução dos recursos aos cofres públicos e garantir a reforma de nossa unidade escolar.

Informamos que dia 31/05, haverá uma caminhada pelo centro da cidade, marcando o início da greve. As 17h30m8n. saida da escola.

É importante destacar que a greve é um direito garantido em lei, mesmo assim, esse é último recurso que gostaríamos de usar.

Também reconhecemos os direitos dos alunos, sendo garantido os 200 dias letivo ano, logo após passar a greve.

Torcemos que o governo coloque um fim nesta greve, chamando os trabalhadores para mesa de negociação e resolva as questões de forma diplomáticas, garantindo a escola pública de qualidade, com profissionais valorizados.