Norte de MT tem maior queda na produtividade da soja

49

A safra mato-grossense 2015/16 de soja ficou mais ‘magra’ ao passar pela sexta revisão do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). Conforme dados divulgados ontem, a produção total fecha em 27,49 milhões de toneladas (t), inferior a da safra anterior e com uma produtividade média de 49,8 sacas por hectare (sc/ha). Os dois indicadores revelam frustração entre o que foi investido, projetado e o realizado no Estado. Com a colheita praticamente encerrada nos mais de 9,20 milhões de hectares cultivados com soja, percebe-se que a adversidade climática foi o fator limitante do novo ciclo. No início das estimativas, chegou a prever uma oferta total de 29 milhões de t, baseada em uma produtividade média de 52 sc/ha.

A heterogeneidade de produtividade, resultado do clima, foi a grande marca da safra 2015/16. Como destacam os analistas do Imea, de fevereiro para cá a heterogeneidade foi se apresentando e de fato se confirmou nessa nova previsão. “Há diferença de até 8 sc/ha entre as regiões, ao compararmos a maior e a menor produtividade. Na safra passada, 2015/14, nessa mesma análise, tínhamos uma diferença de 2,6 sc/ha”.

A maior queda de produtividade ocorreu na região do médio norte, -11%, que na safra 2014/15 apresentou a maior produtividade do Estado, 54,2 sc/ha, mas nesta safra registrou a segunda menor produtividade (48,2 sc/ha), ficando à frente apenas da região nordeste, a qual registrou a menor produtividade desta região desde a série histórica do Imea (safra 07/08). Conforme o Imea, a queda anual foi de 10,8%, com o rendimento médio passando de 51,6 sc/ha para 46,1 sc/ha.

As únicas regiões que tiveram sua produtividade elevada foram a oeste e a sudeste, sendo estas as que apresentaram as maiores produtividades no ciclo, 1,4% e 2,1%, respectivamente de incremento anual e médias de 54,4 sc/ha e 52,7 sc/ha.

Revisões – Os analistas explicam ainda que o órgão a produtividade das safras 2014/15 e 2015/16 constatando que o Estado colheu cerca de 1,12 milhão t a menos em 2016. “Para a validação das novas estimativas de safras o Imea contou, além dos dados tradicionais de produtividade ponderada da safra, também com dados levantados em abril com 547 produtores de soja em Mato Grosso, com esta amostra possuindo estatisticamente um erro amostral de 4,1% e intervalo de confiança de 95%”. Com as áreas inalteradas em ambas as estimativas, os ajustes em torno da produtividade garantiram à safra 2014/15 a consolidação da maior produção de soja já realizada por Mato Grosso, de 28,61 milhões t. “Em contrapartida, após as adversidades climáticas ocorridas em 2016, a produção da safra 2015/16 foi recuada para 27,49 milhões t, mas, mesmo assim, firma-se como a segunda maior produção da soja de Mato Grosso em virtude da área recorde cultivada em 2016”.

A estimativa – Diferente da quinta estimativa, realizada em fevereiro de 2016, na qual se elevou a previsão de produtividade para 51,6 sc/ha em Mato Grosso, refletindo as melhorias nas condições climáticas a partir do final de dezembro de 2015 na maioria das regiões mato-grossenses, a nova estimativa de safra apresenta decréscimo de 1,8 sc/ha, consolidando a produtividade da safra em 49,8 sacas por hectare na média estadual. Com esta nova produtividade, a safra 2015/16 passa a apresentar um recuo de 3,1 sc/ha no comparativo com a temporada 2014/15. “A melhoria na aparência das lavouras a partir do início do ano acabou não refletindo sobre os rendimentos a campo, com grande parte das lavouras sofrendo reflexo do veranico registrado em fevereiro deste ano”, explicam os analistas.

Fonte: Diário de Cuiabá (foto: Só Notícias/arquivo)