Valmor
Crédito: Roberto Paulo – Jornal Caiabis

O índice de infestação do mosquito Aedes aegypti diminuiu de 6,13% para 1,04% no município de Tapurah entre os meses de janeiro e abril deste ano, segundo levantamento divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde, através do setor de Endemias.

A taxa foi definida após pesquisa de Levantamento de Índice do Aedes aegypti (LIAa). Em janeiro, cerca de 3.352 imóveis foram visitados , os quais apontaram 205 focos com um IIP (Índice de Infestação Predial) de 6,13%.

Segundo o setor de Endemias do município, no mês de fevereiro, já na modalidade do novo programa que está sendo coordenado pela DEFESA CIVIL foram visitados 6,657 imóveis com 252 focos com um IIP de 3,78%. “Fevereiro foi o primeiro mês na nova modalidade, houve uma pequena duplicidade nas visitas porque foram os ACSs e ACEs realizando as atividades aí houve essa pequena diferença nos números de visitas”, disse o coordenador de endemias, Lourivaldo Lourenço de oliveira. Conforme o setor, em março foram visitados 5,643 imóveis com 120 focos e com índice de Infestação de 2,20%, e no mês de abril foram visitados 5.657 imóveis com 59 focos com um índice de Infestação de 1,04%.

Para o secretário municipal de saúde, Valmor de Oliveira, os números mostram que Tapurah está num nível de infestação tranquilo, sendo que o índice exigido pelo Estado foi atingido antes do vencimento do prazo, o que deixa o município numa situação mais confortável. Mesmo assim, o secretário ressalta que o índice só fica baixo com a participação de toda a população.

“Nós (Tapurah) não chegamos ao nível zero por que tem pessoas que não fazem a sua parte não contribuem ainda para isso, mas a luta continua e vamos manter este nível baixo e se possível, deixar ele em zero, graças ao emprenho de todos os profissionais da saúde e3 setor da Vigilância sanitária”, disse.

Com o percentual de índices de infestação baixando o número de atendimentos nos postos de saúde e internações no hospital também caiu. “Diminuiu o número de internações no hospital. As notificações de dengue e zika vírus também tem diminuído gradativamente. Isso mostra que o trabalho está dando resultado e está sendo compatível o número de larvas encontradas com as consultas médicas e as internações”, disse o secretário.

Mesmo com o índice baixo, conforme a secretaria de saúde, o controle vai continuar sendo feito pelo setor de endemias durante o ano todo. “O mosquito tem a sua atuação durante o ano todo e durante o período de seca ele coloca o ovo e, quando se inicia a época da chuva ele começa a proliferar e é em virtude desta situação que o trabalho precisa ser feito na época da seca também para eliminar todos os criadouros possíveis para poder ter mais êxito no período da chuva, quando a proliferação aumenta em todos os municípios do Estado e do País”.

Fonte: ASCOM