Desmatamento cresce 190% em MT, segundo Imazon

97

desmatamentoMato Grosso é o estado que mais desmata a Amazônia Legal. Comparando os meses de fevereiro e março deste ano com o mesmo período de 2015, o aumento foi do desmatamento no Estado foi de 190%. Neste período foram derrubados 172 km², enquanto em 2015, o total foi de 60 km² no mesmo intervalo de meses. Os dados são do Sistema de Alerta do Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

O peso é ainda maior quando o levantamento aponta que 81% do desmatamento da Amazônia Legal neste ano foi causado por Mato Grosso. No ranking, Rondônia vem atrás com 9%.

A degradação florestal em Mato Grosso aumentou 36% entre agosto de 2015 e março de 2016. Entre fevereiro e março deste ano o SAD registrou 281 km² de florestas degradadas, desse total, Mato Grosso é responsável por 24%.

Os municípios mais críticos são Marcelândia (676 km de Cuiabá), que desmatou área equivalente a 27,9 km², e Feliz Natal (511 km de Cuiabá), que desmatou 26 km². No ranking das 10 cidades que mais desmatam, além de Marcelância e Feliz Natal, aparecem também os municípios mato-grossenses de Nova Maringá, Juína, Santa Carmem, Aripuanã, Diamantino e Juara.

Entre as áreas desmatadas 88% são privadas e 12% são de assentamentos de Reforma Agrária. No ranking dos assentamentos desmatados, entre os 9, 6 estão localizados em Mato Grosso. São eles Vida Nova (Jangada), Japuranoman e Antônio Soares (Nova Bandeirantes), Cachimbo II e Paulo Assis Ribeiro (Peixoto de Azavedo) e Padovani (Matupá).

Apesar de os dados do Imazon contribuírem para o governo de Mato Grosso diminuir o desmatamento ilegal no Estado, eles não têm efeitos de estatística, conforme a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) informa através de nota.

Os dados oficiais da Sema registram aumento de 40% no desmatamento e é com este número que trabalha em suas estatísticas. A secretaria reconhece que o Estado é o maior responsável pelo desmatamento da Amazônia Legal, mas afirma que houve redução de 87,2% no desmatamento nos últimos 11 anos, de acordo com o Prodes.

Medidas do governo estadual

O governo do Estado tem a meta de reduzir a zero o desmatamento ilegal. Para alcançá-la, vem investindo em uma série de medidas, entre elas uma força-tarefa do setor de fiscalização para avançar no monitoramento e autuações principalmente nos 10 principais municípios presentes no ranking dos que mais desmatam.

Outra força-tarefa acontece no setor de normas da Sema que vista acelerar os processos de autuação de crimes ambientais, incluindo o desmatamento ilegal.

Além disso no início de abril foi criado um comitê de inteligência para integrar as ações de prevenção e combate ao desmatamento ilegal, coordenadas pelas secretarias de estado de Meio Ambiente, de Segurança Pública e pelo Instituto de Defesa Agropecuária.

Ainda está em andamento a estruturação do programa levado para a COP 21 que se chama PCI – Produzir, Conservar e Incluir, que reúne instituições do Governo do Estado e parceiros, como ONGs, setor produtivo e investidores internacionais para criar um novo modelo de desenvolvimento sustentável para Mato Grosso.